Tudo sobre cruzeiros: dicas, notícias e curiosidades!

Categoria: Royal Caribbean International

ROYAL CARIBBEAN INTERNATIONALHistória

Texto e Imagens por Daniel Capella

RoyalA Royal Caribbean International (RCI) foi fundada no final dos anos 60, por três armadores noruegueses. Seu primeiro navio, Song of Norway, entrou em operação em 1970. A companhia pretendia oferecer uma opção diferenciada no Caribe, de cruzeiro de alto nível em navios modernos, construídos especialmente para viagens turística na região. Naquela época, a maior parte dos navios que faziam cruzeiros eram antigos navios de linha convertidos para a nova função turística.

Passou por uma grande onda de crescimento durante as décadas de 1990 e 2000, e hoje é a segunda maior companhia do mundo, parte do segundo maior conglomerado de cruzeiros a nível global. Em sua frota se encontram os maiores e mais inovadores navios do mundo, como os da classe Oasis, que transportam mais de 6,000 passageiros e possuem a bordo atrações inéditas como um parque com plantas reais.

Em 2016, a Royal inaugurou o Harmony of the Seas, maior navio de cruzeiros do mundo, que supera ligeiramente os anteriores da classe Oasis em tamanho e capacidade de passageiros. Para 2018, um novo gêmeo, Symphony of the Seas reforça a frota da companhia, com inauguração prevista para abril.

Após quinze anos consecutivos operando no Brasil, a companhia deixou nossas águas depois da temporada 2015/2016. Hoje, para navegar com um dos navios da Royal Caribbean é preciso ir ao Caribe, Europa, Ásia ou Oceania.

Estilo e Características

A Royal Caribbean tem uma frota muito variada, com navios que vão desde o diminuto Empress, que transporta apenas 1,500 passageiros, ao Harmony of the Seas, maior navio de cruzeiro do mundo, com capacidade para mais de 6,000 hóspedes. Isso significa que as características dos cruzeiros com a companhia viriam muito, de acordo com o navio no qual são realizados.

No entanto, há diversos elementos em comum em todas as unidades da frota: a inovação, o serviço de primeiro nível e o ambiente familiar. A inovação está no DNA da companhia, e presente em serviços e atrações diferenciadas, como as paredes de escalada e shows verticais (apresentados nos átrios como o da foto ao lado) nos navios mais antigos, e os bares robóticos e shows de águas dançantes nos navios mais novos.

Não é a toa que a Royal Caribbean hoje opera os maiores navios do mundo, lotados de atrações inéditas. Simuladores de surfe, ruas com lojas e restaurantes, rinks de patinação no gelo, parques com plantas de verdade, e muito mais estão hoje a bordo dos navios da frota da Royal Caribbean. Há até mesmo um simulador de queda livre para a prática de paraquedismo! Isso mesmo! Com vista ao mar ainda…

Apesar de operar como companhia padrão (não é considerada uma empresa premium ou de luxo), a Royal Caribbean International é conhecida também por ter um dos melhores serviços a bordo. Funcionários bem humorados, atenciosos e preparados são o padrão nos navios da empresa, que oferece o chamado “Gold Anchor Service”, e surgiu como empresa upscale na década de 60.

Em seu site, a Royal Caribbean descreve seu padrão de serviço, dessa forma: “(O Gold Anchor Service) é a forma como nós tornamos o seu cruzeiro ainda mais inesquecível. Uma coisa que faz os passageiros quererem voltar sempre é o nosso excelente serviço pessoal. Pode ser um garçom que lembre o nome do ursinho de pelúcia da sua filha, o barman que se lembra da sua azeitona extra, ou o atendente que lembra a você do horário da sua reserva para o jantar. Nosso estilo de serviço exclusivo tornará melhor cada aspecto do seu cruzeiro”.

Central Park, no Oasis of the Seas: plantas reais a bordo! –>

Por último ressaltamos o ambiente familiar da RCI. A bordo, será possível encontrar atividades para todas as idades. Dos mais velhos aos pequenos, todos são contemplados nas atividades organizadas pela tripulação. Isso se deve ao posicionamento da empresa no mercado; a Royal Caribbean tem como alvo o público familiar.

Assim, será possível encontrar a bordo, não só um parque aquático especialmente desenvolvido para as crianças, ou atividades áreas para atividades para atividades mais enérgicas e esportes, mas também uma disco com festas que avançam até a madrugada e locais românticos para os pais e casais.

Destinos de Atuação

Com o Caribe até mesmo em seu nome, a companhia opera a maior parte de seus cruzeiros por lá. Durante o ano inteiro, há navios partindo da Flórida e Nova Iorque para os destinos e ilhas da América Central. Os roteiros por essa região são bastante variados. Há cruzeiros que navegam exclusivamente pela parte Oeste do Caribe, outros navegam pelas ilhas da parte Leste caribenha, enquanto outros seguem rumo ao Sul do Caribe. Eventualmente, ainda há itinerários que visitam um mix de portos em todas as regiões caribenhas.

O destaque são os roteiros com partida de Miami e Fort Lauderdale a bordo dos maiores navios de cruzeiro do mundo, os da classe Oasis. Há opções para o Caribe Oeste e para o Caribe Leste, com escalas em portos como Cozumel (México), Labadee (Haiti), Sint Maarten (território holandês) e St. Thomas (US Virgin Islands).

Também há grande quantidade de mini-cruzeiros de três e quatro noites, com partida da Flórida. Partindo de Miami, Port Canaveral ou Fort Lauderdale, esses itinerários visitam principalmente as Bahamas – incluindo passagem por CocoCay, um destino exclusivo da Royal Caribbean, em Little Stirrup Cay, nas Bahamas.

A Royal Caribbean também atua também na Europa, com grande quantidade de itinerários no Mediterrâneo e Báltico. Há cruzeiros partindo de portos italianos, como Veneza e Civitavecchia (Roma), e ingleses como Southampton (Londres) e Harwich. O principal porto de partida, no entanto, é o de Barcelona, que costuma receber alguns dos maiores navios da frota para roteiros de sete noites com passagem por França, Espanha e Itália.

Outros destinos incluem a Ásia, o Alaska e a região do Pacífico Sul e Austrália.

Infelizmente, a companhia deixou de operar no Brasil e América do Sul em 2015/2016, e atualmente não tem previsão de retorno à região.